Início » Artigos » Opinião » O que eu joguei de mais incrível em 2014? – Sayron Schmidt
Imagem de destaque

O que eu joguei de mais incrível em 2014? – Sayron Schmidt

Fala meus desbravadores de Conquistas!!!

O ano de 2015 está no começo e todos os gamers do universo estão ansiosos por todos os lançamentos que ocorrerão durante esse ano. Teremos o novo The Witcher 3, um Metal Gear com mundo aberto e muitos indies, como No Man’s Sky. Mas 2014 ficou marcado como o primeiro ano dos consoles Xbox One e PlayStation 4 e o ápice das carreiras da geração anterior. E desse ano vieram muitos jogos fodas (e muita coisa ruim também).

Então resolvi seguir a linha do Giancarlo e resolvi mostrar a vocês o que de melhor joguei no ano de 2014, lembrando apenas que não significa que os jogos aqui listados foram necessariamente lançados em 2014.

The Last of Us (PS3 e PS4)

Sim! Temos um jogo lançado em 2013 pela Naughty Dog, que traz uma nova roupagem a um velho tema: o apocalipse zumbi.

Infelizmente eu só consegui jogar em 2014 graças a compra de um PS3 novo (o anterior eu vendi). E, honestamente, não sei como fiquei sem jogá-lo por tanto tempo. Se fosse avaliação de escola de samba esse jogo receberia 10 em todos os quesitos!

A história é envolvente, os gráficos são belos (na versão remasterizada então…) e a dublagem em português foi a melhor que já vi desde que os jogos começaram a ser localizados para o Brasil.

O jogo é tão envolvente que minha esposa acompanha a jogatina como se estivesse assistindo a uma série de TV!

the-last-of-us

Candy Crush Soda (Android)

Sou fissurado por jogos que envolvem quebra-cabeças e quando peguei meu primeiro smartphone vislumbrei a oportunidade de exercitar meu cérebro em qualquer lugar que eu precise passar um tempo.

No banheiro, na fila do banco, no ônibus ou na aula chata da faculdade, o Candy Crush Saga sempre foi uma das opções de distração no meu celular.

Em 2014 foi feita uma nova versão do jogo chamada Candy Crush Soda e as melhoras foram evidentes. Da qualidade gráfica, muito mais agradável e leve, até os desafios mais complexos e novas formas de combinar as peças faz com que você não queira parar de jogar. Uma pena que você só tem aquelas malditas 5 vidas.

candy-crush-soda

SteamWorld Dig (PS4)

Como o Storino disse em sua resenha do The Swapper, como eu consegui ficar sem a PSN Plus e seus joguinhos free?!? Assinei e não me arrependi!

E numa dessas veio o SteamWorld Dig, um jogo com conceito simples, onde você é um robô minerador que chega numa cidade decadente onde seu amigo, o minerador da cidade, está desaparecido. Então o personagem resolve tentar reviver a cidade e ainda por cima encontrar o velho amigo desaparecido.

Você escava, acha pedras preciosas, revende e compra melhorias para o personagem. Já vimos muitas vezes esse tipo de mecânica de colheita/venda/melhoria, mas o que deixa esse jogo diferente é o fato de você controlar as escavações lembrando sempre que precisa-se subir novamente e que se errar e não conseguir voltar, terá de se autodestruir e pagará metade do valor que tiver no jogo para reviver. E acredite, você erra muitas vezes e precisa quebrar a cabeça o tempo todo para achar a melhor forma de chegar às pedras mais valiosas sem prejudicar teu retorno.

Vale algumas horas de diversão sem muito compromisso!

steam-world-dig

EA Sports UFC (PS4 e XONE)

Eu sempre tive à mão algum jogo relacionado a esportes. Do International Super Star Soccer no SNES até a época do PS1 com Winning Eleven (Pro Evolution Soccer), às vezes virava noites fazendo campeonatos com a galera do bairro. Esse foi meu multiplayer durante muitos anos. Depois migrei pro FIFA já no PS3 e joguei muito o Fight Night Champion, no Xbox 360. Mas em meados de 2013 tive contato, pela primeira vez na vida, com o UFC Undisputed 3, o último UFC lançado pela finada THQ. Eu, como fã do esporte, gostei demais da jogabilidade (exceto o sistema de finalizações), dos gráficos e da velocidade em   jogo.

Quando a THQ fechou as portas e os direitos foram para e EA Games, um misto de preocupação e euforia tomou conta de mim, pois o jogo poderia fazer bom uso das mecânicas do jogo anterior ou jogar tudo pro alto e tentar fazer algo novo ou baseado na franquia Fight Night.

A espera acabou com o lançamento oficial do jogo 17 de junho de 2014 e, infelizmente, vieram com vários bugs e não tinha aquela sensação de velocidade tão apreciada no Undisputed. Mas nada como um belo patch para resolver tudo e dar a volta por cima.

ea-sports-ufc

Menção honrosa: Mario Kart 8 (Wii U)

Bom, joguei pouco na casa do meu primo, mas foi a única coisa que me fez ter muita vontade de comprar um Wii U. Nostalgia total, jogabilidade fantástica e Luigi psicopata. Preciso dizer mais?

luigi-death-stare

Categorias: Artigos, Opinião, Resenhas
Tags: , , , , ,

Curitibano que não fala lEitE quEntE, mas acha que biscoito é um ultraje as bolachas. Joga video games desde o dia em que seu pai apareceu com um Atari e um grande saco repleto de jogos e desde então já ouviu muitas vezes "esse video game vai estragar a televisão" e "você vai ficar cego de tanto olhar para essa tela".