Início » Retrô » Retrobright: como restaurar o aspecto visual de videogames antigos? – Parte 1

Retrobright: como restaurar o aspecto visual de videogames antigos? – Parte 1

Na parte 1 deste artigo, saiba porque seu videogame antigo fica com aquele amarelão asqueroso e como o Retrobright pode resolver o problema.

Quem me segue nas redes sociais viu que no final do ano passado eu comprei um Super Nintendo. Foi um sonho de infância que eu finalmente consegui realizar, hehe!

Como meu irmão mais velho também adorava jogar Super Nintendo comigo quando éramos crianças, resolvi comprar um segundo SNES pra dar de presente pra ele. No geral eu comprei um SNES modelo original e outro modelo baby. Aí eu dei o modelo original pro meu irmão e o modelo baby ficou comigo.

O SNES fat era bem bonitinho! Super bem conservado, funcionando bem e com a carcaça quase tão cinza quanto na época em que saiu da fábrica. Já o SNES baby veio nesse estado:

Meio zoado o coitado, eu sei…

Amarelamento sempre foi um problemão em consoles de videogame antigos de cor clara. Na verdade é um problema comum em qualquer eletroeletrônico cuja carcaça seja confeccionada com plástico ABS. Felizmente existe uma maneira de nos livrarmos do amarelamento nas carcaças dos consoles, graças a uma técnica de restauração e limpeza descoberta e desenvolvida pela comunidade de retrogaming, conhecida como retrobright.

Mas como o retrobright funciona e como fazer para restaurar a cor original de um console de videogame das antigas? Bom, antes de mais nada, precisamos compreender o problema para resolvê-lo da melhor forma possível.

Plástico ABS e o amarelamento

Antes de começar a explicação, quero deixar claro que eu não sou químico e tirava notas razoáveis nessa matéria na escola. Eu pesquisei em alguns sites para aprender sobre o retrobright e estou repassando essas informações com a linguagem mais simplificada possível dentro dos meus conhecimentos sobre o assunto. Por isso, se você entender de química melhor do que eu, por favor fique à vontade pra deixar um comentário corrigindo qualquer besteira que eu falar nesse texto.

Peças de LEGO são apenas algumas das aplicações possíveis do uso de plástico ABS.

O plástico ABS é uma resina plástica derivada do petróleo, cuja sigla vem das iniciais em inglês do composto químico que o compõe: acrilonitrila butadieno estireno. Por ser barato de fabricar, ser resistente a fogo e ser bastante maleável e fácil de moldar, esse tipo de plástico é amplamente usado na indústria para os mais diversos fins.

Quase tudo que utilizamos hoje é feito, no todo ou em parte, com esse tipo de plástico: embalagens, pecinhas de LEGO, componentes plásticos de paineis de carro, carcaças de eletrodomésticos e eletroeletrônicos, alguns tipos de instrumentos musicais, utensílios de cozinha e muitas outras coisas.

Na indústria de games, o plástico ABS é utilizado principalmente na construção das carcaças dos consoles, nas carcaças de periféricos e acessórios, e nas coberturas dos cartuchos. Quando o plástico usado é na cor preta não há problema algum, mas o amarelamento ocorre em peças plásticas de cores claras, como branco ou cinza.

Isso acontece porque no momento em que o plástico ABS é produzido, é adicionada a ele uma substância retardante de chamas, para aumentar ainda mais a resistência térmica desse polímero (isso é feito com todo plástico ABS fabricado, não apenas nos de cores claras). Em um dispositivo eletrônico isso é essencialmente importante, para evitar que ele pegue fogo caso ocorra um eventual acidente elétrico. Mas há o infeliz efeito colateral de deixar o plástico mais fotossensível e mais instável à ação da luz ultravioleta.

Quando os raios UV incidem sobre um console de videogame ou um computador antigo, por exemplo, isso provoca uma reação química que libera uma substância chamada bromina. A bromina é instável e, ao entrar em contato com o ar, modifica suas propriedades para se tornar estável novamente e é nesse momento que essa substância provoca a mudança de cor na superfície do plástico ABS.

Essa é uma das principais razões de as fabricantes de consoles sempre aconselharem o consumidor a manter seu precioso videogame longe de luz do sol intensa: além de obviamente evitar fritar os circuitos internos por causa do calor, tomar esse cuidado ajuda a manter seu PlayStation branquinho por muito mais tempo.

E agora? Como resolver?

Computador antigo precisando de um retrobright. – Fonte: Retrocomputaria

Com o propósito de justamente reverter os efeitos da reação sofrida pela bromina, diversos entusiastas de retrogaming começaram a estudar as propriedades químicas do plástico ABS ao longo dos anos. Assim eles descobriram que era possível reverter o amarelamento utilizando-se uma solução química caseira, que foi batizada de Retrobright (também conhecida como Retr0bright ou Retrobrite). Com o tempo, o nome Retrobright ganhou um significado mais amplo e passou a designar qualquer técnica de restauração de plástico ABS ao seu visual original.

Ao longo dos anos, foram criadas diversas técnicas de restauração de plástico ABS, algumas bem tranquilas de fazer, outras mais trabalhosas e ainda algumas que botam em risco a saúde de quem for mais descuidado! A maneira mais comum e fácil de fazer envolve uma mistura de peróxido de hidrogênio (H2O2, a boa e velha água oxigenada) e tetraacetiletilenodiamina [(CH3CO)2N-CH2CH2-N(COCH3)2, composto químico encontrado em alguns tipos de alvejante], além da ajuda de – vejam vocês – raios ultravioleta.

Basicamente o procedimento envolve desmontar toda a carcaça plástica do aparelho a ser restaurado, limpar bem as peças, aplicar a mistura química e colocar as peças para receber luz ultravioleta. O peróxido de hidrogênio vai reagir com a bromina do plástico ABS para quebrá-la e removê-la da peça, enquanto que a tetraacetiletilenodiamina (Te desafio a repetir esse nome em voz alta 10 vezes bem rápido) agirá como catalizador, acelerando o processo de branqueamento.

Sim, a mesma reação química que provocou o amarelamento agora vai nos ajudar a eliminá-lo. 😉

Fiz Retrobright no meu Super Nintendo. Você não vai acreditar em como ele ficou! 😛

Depois de muito estudo e muito cagaço de dar errado e estragar a carcaça do meu Super Nintendo baby, eu resolvi tomar coragem e arregaçar as mangas. Apesar de eu não conseguir um resultado 100% satisfatório, devo dizer que foi uma experiência bastante interessante!

Na parte 2 deste post, vou explicar passo a passo como eu fiz para restaurar a cor original do meu Super Nintendo baby com a técnica de Retrobright. Detalharei todo o procedimento que eu fiz, incluindo erros e acertos, além de dar dicas de como você pode fazer o mesmo e escapar com vida.

Até breve, com a continuação dessa brincadeira de doido!

Categorias: Destaques, Hardware, Retrô
Tags: , , ,

Analista de Sistemas, desenvolvedor web e webdesigner freelancer. Sou viciado em videogames, amo literatura e os ensinamentos de Ben Parker formaram o meu caráter.

Deixe um comentário! ^^